Conheça as 15 finalistas que concorrem ao posto de Deusa do Ébano


Vencedora será escolhida no dia 16 de fevereiro
 
Quem via o nervosismo das estudantes Larissa Oliveira, 18, e Lorena Matos, 21, não imaginaria a leveza das duas na hora de mostrar o talento para as juradas da seletiva da 40ª Noite da Beleza Negra, concurso realizado para eleger a rainha
do bloco, ou, como é mais conhecido, a Deusa do Ébano.

Foi a primeira vez de Larissa no concurso. Moradora de Sussuarana, ela conta que conheceu o Ilê Aiyê através de sua tia, uma apaixonada pelo bloco. No caso de Lorena, o concurso já não era mais novidade: no ano passado ela também participou
e foi a terceira colocada.



“Eu pensei que diminuiria o nervosismo, mas só aumentou. Agora eu conheço mais a história do Ilê e fiquei perto de ganhar no ano passado. A responsabilidade só aumenta”, disse Lorena.

Hoje foi o dia de selecionar as 15 finalistas. Foram 112 inscritas. No dia 16 de fevereiro, as candidatas disputarão o título de "Deusa do Ébano 2019", em Salvador. Será a esperada festa na Senzala do Barro Preto, inspirada pelo tema do Carnaval 2019: “Que Bloco é Esse?”.

Uma das finalistas veio de longe: foi a professora de dança Nana Sarah, que até duas semanas atrás ainda morava em Jequié, a 367 km da capital. Foi a primeira vez que ela participou do concurso e não escondeu a emoção por já chegar à final.

"Eu conheci o concurso através de uma professora. Em minha cidade, temos pouco acesso às histórias do Ilê e muito menos o concurso. Conhecer já foi uma grande emoção, participar e chegar até a final é uma grande honra", disse Nana.




Presidente da entidade, Vovô do Ilê afirmou que o concurso serve como uma espécie de ação afirmativa e que tem um papel fundamental no processo de afirmação e reconhecimento das mulheres negras na sociedade.

“É um concurso que movimenta até o dia a dia das mulheres negras. Toda a preparação para chegar até aqui é marcante”, diz Vovô.

O time de juradas contou com antigas Deusas do Ébano, como Daiana Ribeiro, professora de dança afro e vencedora do concurso em 2013.




Para a secretária de Cultura do Estado da Bahia, Arany Santana, que também é diretora do Ilê, a Noite da Beleza Negra é muito mais do que um concurso. "Trata-se de uma é uma ferramenta de construção da autoestima de mulheres negras na Bahia e no mundo."



https://www.primaveranoticias.com/2017/09/a-vida-boa-da-carmelita-acabou-quando.html
Conheça as finalistas:

1. Jucineide Ferreira, 33 anos, desempregada. Concorrendo pela 6ª vez.

    "O Ilê está comigo desde criancinha. Tenho mais de décadas aqui. É algo que vem de família. Estar aqui é um sonho de minha mãe que estou realizando"

2. Juciara Silva, 37, Nordeste de Amaralina. Técnica em Segurança do Trabalho. Concorrendo pela 7ª vez.

    "Só de participar eu já me sinto deusa. Fui para final em todas as vezes que participei. Uma hora vai!"

3. Rafaela Rosa, 23, Barra. Professora de capoeira. Participando pela primeira vez

    "É muito gratificante chegar aqui. O concurso pra mim é um desafio. Me preparei o ano todo, fui atrás de aula e toda uma correria pra vir com tudo. Pra mim é um desafio, quero mostrar que posso, que consigo alcançar meus objetivos"

4. Lari Martins, 30, Barreiras. Artista. Participando pela primeira vez.


    "Eu fui rainha do carnaval de Barreiras e sofri muitos ataques racistas. É até difícil falar. Eu vim para cá porque queria mostrar que minha dança, meu jeito e minha cor devem ser valorizadas. Esse é meu momento de mostrar que o Il}e está aqui para fortalecer as mulheres negras"

5. Nana Sarah, 31, professora de dança. Rio Vermelho. COncorrendo pela 1ª vez.

    "Sou de Jequié e vim morar em Salvador há duas semanas. Conheci o concurso através de uma professora minha porque na minha cidade não temos muito acesso. Foi a partir daí que nasceu meu desejo de participar.

6. Amanda Ribeiro, 18, auxiliar administrativo. Santa Mônica. Primeira vez concorrendo

    "Minha família e meus amigos me incentivaram. Sempre admirei o bloco, a sede e tentei realizar esse sonho. FOi difícil estar aqui, mas consegui"

7. Elza Bastos, 24, professora de dança. Pituba. Primeira vez concorrendo.

    "Meus amigos sempre comentavam, mandavam link para me inscrever e eu nunca levei fé. Foram meus amigos que ajudaram nessa questão do empoderamento e por isso estou aqui. Aprendi o tamanho do meu poder."


8. Caroline Xavier, 20, monitora de faculdade. Sussuarana. Primeira vez concorrendo

    "É uma realização pessoal. Um desejo. Sempre vi várias mulheres como inspiração e queria estar aqui"

9. Valéria Soares, 24, bolsista. Curuzu. Primeira vez concorrendo.
    "É uma ligação do sonho de ver a Deusa do Ébano no carnaval e acompanhar o bloco. É aquela tentativa, todas no mesmo foco, cada uma tem seu potencial e força de vontade. Minha expectativa é de ganhar."

10. Dandara Nascimento, 25, auxiliar de classe. Engenho Velho de Brotas. Concorrendo pela segunda vez

    "Muita persistência e sonho. Também estou realizando o sonho de minha mãe. Sempre acompanhei o bloco."

11. Bianca Souza, 23, atendente. Lobato. Primeira vez participando

    "É um desejo e sonho de criança. No espaço onde trabalho muitas pessoas me elogiavam e davam incentivo para me inscrever. Estou aqui para levar representatividade para outras meninas negras, da minha comunidade, que possam sonhar como eu sonho hoje."

12. Ivana Paixão, 26, guia turístico. Lençóis. Segunda vez participando


    "Eu participei ano passado. Esse ano eu não viria, mas minha amiga me forçou a vir. Ela falou que eu não sabia da força que tenho. Além disso, tem o amor ao Ilê. Eu me sinto retornando pra minha casa sempre que venho aqui. É onde me sinto segura e onde quero estar."

13. Gleiciele Oliveira, 21, dançarina. Curuzu. Primeira vez participando

    "Eu sou do interior e há dois anos moro no Curuzu. Minha mãe sempre morou aqui e me falava do bloco. A primeira vez que vi o Ilê falei "nossa, quero ser a Deusa do Ébano".

14. Daniele Nobre, 33, secretária executiva. Bonocô. 8ª vez que concorre

    "Além de ser um sonho de criança eu acredito na proposta do bloco. Nesse oito anos já cheguei ao terceiro e ao segundo lugar. E creio que agora vou buscar o título"

15. Lumena Aleluia, 27, psicóloga e roteirista. Brotas. 2ª vez concorrendo

    "Hoje completa 10 anos que participei a primeira vez. VOltei para resgatar essa minha memória. A partir do encontro com o concurso eu me entendi como mulher negra e sobretudo produzi o desejo de me empoderar. Aqui eu fui acolhida e foi um divisor de águas na minha vida"


Compartilhe no Google

Adenilton Cerqueira

Adenilton Cerqueira é diretor de conteúdo do Portal Black Brasil, curador digital e produtor de conteúdo especializado em questões étnicas. Bastante contestador ele é consciente do seu propósito e exerce sua liberdade por meio da escrita. Contato: revistaafrobahia@yahoo.com.br