Adolescente com hidrocefalia conta como superou bullying e decidiu virar cantora






“Eu nunca me aceitei, então minha mãe me dizia todos os dias: ‘Eu te amo, eu te amo, eu te amo'”, diz a queniana.

Wanjiru conta que lutar contra o preconceito é uma tarefa diária. “Ontem, uma pessoa riu de mim por causa da minha aparência. Eu comecei a chorar.”

O que fazer, então?

“Eu ignoro”, diz ela.



https://www.primaveranoticias.com/2017/09/a-vida-boa-da-carmelita-acabou-quando.html


“Para as crianças como eu: aceitem-se da forma como foram criadas. Não importa se as pessoas dão risada de você. Não dependa delas porque elas não são quem criou vocês. É Deus. Então se aceite e nunca desista.”
Fonte: BBC



Campanha de assinaturas solidárias da Black Brasil. Veja como apoiar

 
Black Brasil © 2006 - Mostrando o que a grande mídia não vê - Whatsapp (71) 99249-7473 -