Ator negro espancado depõe, e delegada diz que racismo pode ter sido "impressão pessoal dele"

A delegada do 1º Distrito Policial, Gabriela Carvalho Pereira, ouviu o ator Diogo Cintra em depoimento de seis horas nesta terça-feira (21) e, apesar de não ter descartado a hipótese de racismo dos seguranças no caso, declarou que o racismo alegado por ter sido “impressão pessoal” da vítima.

"Ele foi indagado se, em algum momento, foi proferida alguma palavra, se foi exteriorizado esse racismo, mas ele disse que escreveu isso no post [no Facebook, onde Cintra divulgou primeiramente o caso] como uma impressão pessoal dele – inclusive, o inquérito não foi para outra delegacia, especializada", explicou a delegada.


Cintra foi espancado na madrugada da última quarta-feira (15) por um grupo que o havia assaltado próximo ao terminal. Antes das agressões, ele chegou a pedir ajuda a seguranças do terminal, mas os funcionários ouviram do grupo que assaltara Cintra que, na verdade, o rapaz era o assaltante. Com isso, permitiram que o jovem fosse arrastado pelo bando para apanhar do lado de fora do Parque Dom Pedro. A ação foi flagrada por câmeras de segurança, e os funcionários envolvidos no caso, segundo a Secretaria Municipal de Transportes, foram afastados.

Na avaliação da policial, o racismo na situação teria sido "a primeira impressão que ele teve". "Porque ele achou que, se fosse branco, talvez o tivessem escutado, e os seguranças não escutaram --mas permitiram que fosse conduzido pelos autores da agressão. A injúria racial tem que ser externada por palavras, mas estamos apurando e ainda não estou dizendo que não teve", definiu.

Indagada se a abordagem não teve conotação racista, a delegada reforçou que uma das perguntas do inquérito era explícita quanto à abordagem de acordo com a cor da pele. "Na oitiva dele, perguntamos se, em algum momento, ele havia sido discriminado verbalmente em função da etnia. Ele disse que não, mas avaliou que se sentia assim discriminado. Por enquanto, o caso não está configurado, ainda, portanto, como injúria racial", finalizou.

Nos próximos dias, a Polícia Civil vai intimar funcionários do terminal a prestarem depoimento e prosseguir em um "trabalho de campo" que não foi detalhado pela delegada a fim de não atrapalhar as investigações.

Em entrevista ao Casadetaipa  após o depoimento, o ator admitiu que não ouviu palavras racistas, mas ponderou que "as ações foram racistas".

"Não é porque eu não fui xingado em razão da cor da minha pele que não teve racismo na situação. As ações foram racistas, o que, para mim, é até pior. Racismo eu já sofri ao longo da minha vida, mas o que é dito mais me fortalece que me ofende; tudo o que eu sofro eu coloco no meu trabalho", disse. "O pior é negarem ajuda para você dentro de um estabelecimento público em que eles são obrigados a nos proteger – mas preferiram achar que eu era o bandido", completa.


"Os caras me espancaram na frente deles [seguranças]. A ação é racista, sim, porque qualquer outra pessoa branca sairia ilesa, pois os funcionários iriam protegê-la", relatou.

Campanha de assinaturas solidárias da Black Brasil. Veja como apoiar

 
Black Brasil © 2006 - Mostrando o que a grande mídia não vê - Whatsapp (71) 99249-7473 -