FASCISMO NAS FORÇAS ARMADAS: Recrutas do Exército se declaram ‘petistas’ e são vítimas de tortura e humilhações!


Uma denúncia de perseguição ideológica a recrutas de uma unidade militar em Goiás, supostamente simpáticos ao PT e defensores dos direitos humanos, está sendo investigada pelo Ministério Público Federal (MPF) em Rio Verde, no interior do estado. A Procuradoria abriu um inquérito civil para apurar indícios de tortura a quatro jovens que prestam serviço militar no 41.º Batalhão de Infantaria Motorizada, em Jataí, a 320 quilômetros de Goiânia. 

Na representação feita ao MPF, os quatro recrutas relatam terem sido alvo de assédio moral, maus-tratos e perseguições por razões políticas. No relato, é contado que um oficial, durante a apresentação da turma, no início do ano, teria pedido que se identificassem aqueles "petistas ou defensores dos direitos humanos". Os que o fizeram teriam passado a ser alvo de perseguições por superiores. 

Foram anexadas à representação vídeos com cena de maus-tratos a um dos jovens e também gravações de áudio que provariam o que os quatro relataram. Um vídeo divulgado pelo Ministério Público (assista abaixo) mostra um oficial humilhando um jovem, que está no chão e é alvo de um superior, que pisa na sua cabeça e joga areia com o pé em cima do jovem.

Esse oficial foi detido pelo Exército, que anunciou que está apurando o caso internamente. O procurador Jorge Medeiros, que está cuidando do caso, oficiou o batalhão para se manifestar sobre a situação. 

O procurador disse à Gazeta do Povo que são vários os indícios de uma série de abusos continuados e que boa parte está documentado. "A explicação dada pelos representantes das supostas vítimas é que o motivo dessa prática foi essa divergência ideológica. Um deles se manifestou politicamente, ao responder à pergunta de um oficial, e teria começado essa rotina de perseguição", disse Medeiros, que investiga o caso. 

"As imagens são fortes e dão credibilidade para os relatos nesse estágio inicial. Ao longo da investigação vamos ter melhores respostas", afirmou ainda o procurador. 

Segundo o relato das vítimas, os atos de perseguição ocorriam com frequência, em vários eventos, como nos meses de abril, maio e junho. Medeiros afirmou que há menção "muito farta" aos nomes dos agressores e das vítimas. E, dada a sensibilidade do caso, o procurador entendeu melhor não divulgar os nomes. Apenas o vídeo da agressão, que mostra de longe os envolvidos.
Compartilhe no Google

Adenilton Cerqueira

Adenilton Cerqueira é diretor de conteúdo do Portal Black Brasil, curador digital e produtor de conteúdo especializado em questões étnicas. Bastante contestador ele é consciente do seu propósito e exerce sua liberdade por meio da escrita. Contato: revistaafrobahia@yahoo.com.br